07
fevereiro

O que vejo da minha janela

o-que-vejo-da-minha-janela

O post de hoje é mais um devaneio, ao me flagrar olhando pela janela e vendo coisas que amo e outras que nem tanto…  E lembrei de uma frase de Alain de Botton, no livro A Arquitetura da Felicidade, quando diz que “Alguém que pense seriamente sobre as grandes questões da vida vai a algum momento cruzar com a arquitetura, porque o lugar onde moramos determina em que acreditamos e como nos sentimos”.
O que vemos ao olhar para fora, diz muito da maneira como vamos nos sentir.
E é indiscutível que seremos invadidos por uma grande sensação de bem estar se esse olhar recair sobre uma área verde cuidada em detalhes, se convidar a entrar e relaxar ou apenas a contemplar.
Uma área externa bem cuidada não vai nos tornar felizes, é claro, mas pode melhorar nosso estado interior. Se tiver uma cadeira, rede, balanço, banco que nos convide a sentar, plantas, flores melhor ainda!
E, se a gente não tiver espaço para um jardim, pode aproveitar a varanda, mesmo pequena ou criar um jardim de vasos junto à janela. O prazer de cuidar das plantas pode servir como uma espécie de terapia tanto no cuidado quanto na contemplação.

o-que-vejo-da-minha-janela
Projeto de paisagismo Gilberto Elkis.
o-que-vejo-da-minha-janela
Projeto Coletivo Arquitetos
o-que-vejo-da-minha-janela
o-que-vejo-da-minha-janela
o-que-vejo-da-minha-janela
o-que-vejo-da-minha-janela
o-que-vejo-da-minha-janela
o-que-vejo-da-minha-janela
Projeto do arquiteto Isay Weinfelt e paisagismo Rodrigo Oliveira
o-que-vejo-da-minha-janela
Varanda da paisagista Ivani Kubo

E a pergunta final: o que tu vês ao olhar a janela?

Beijo, Malu.

Newsletter

Assine para receber novidades do blog!

banner_875x90

Posts relacionados

Deixe seu comentário

Você é humano?

*