30
março

Dicas e inspirações para ter cozinhas com história e afeto.

No universo da gastronomia, chefs, culinaristas e cozinheiros são unânimes em afirmar que o amor é um ingrediente fundamental que não pode faltar no preparo dos pratos. O prazer, a felicidade e as memórias que uma receita nos proporciona influenciam diretamente no sucesso daquilo que se deseja realizar. Em casa, muito mais que uma estrutura bem pensada, a decoração com o viés afetivo promove uma conexão ainda mais forte na relação da cozinha com a vida dos moradores. Junto com a estética, o projeto pode – e deve! – destacar histórias, lembranças e sensações.

Nosso papel como arquitetos é conhecer a essência de cada cliente, descobrir o que é importante e, junto com as premissas de uma cozinha bem planejada para quem ama cozinhar, trazer elementos que se conectem com a emoção. A cozinha tem esse poder”, defende a arquiteta Cristiane Schiavoni.

Com sua experiência na realização de projetos residenciais, a profissional afirma que a relação entre a arquitetura de interiores e as memórias afetivas fortaleceu-se ainda mais, principalmente no momento que estamos vivenciando.

Ao ressignificar a importância de nossos lares, tenho acompanhado esse desejo por parte dos clientes que atendemos em nosso escritório. O encanto da decoração não está pautado nos estilos, mas no conforto emocional e no bem-estar que aliamos nessa execução”, complementa Cristiane.

Mas como projetar uma cozinha com histórias e afeto?
Confira a seguir as dicas que a arquiteta separou para ajudar nessa missão.

Uma cozinha acolhedora. Para alcançar essa essência, a profissional investiu em materiais que pudessem remeter à infância da moradora, como a marcenaria no tom vermelho coral. Além disso, a arquiteta Cristiane Schiavoni apostou nas cadeiras Eames forrada com tecidos estampados como referências aos anos 60 e 70, décadas marcantes para a cliente. | Foto: Carlos Piratininga

Uma forte relação com o vintage x retrô

Dois estilos clássicos que estão ligados ao afetivo são o retrô e o vintage. Mas qual a diferença entre eles? Segundo a especialista Cristiane Schiavoni, ambos são parecidos, mas existe uma linha tênue que determina suas diferenças.
No caso do vintage, o décor está associado ao uso de peças antigas, geralmente datadas entre as décadas de 1920 a 1960 ou quando a decoração engloba móveis herdados de familiares ou de alguém especial.
Já o retrô se traduz em uma releitura de obras passadas que remetem a sentimentos e memórias afetivas.

Realizo muitos projetos inspirados no estilo retrô. Eles se encaixam nessa questão da linguagem e personalidade dos moradores, ligado também as suas origens”, revela.

Nessa cozinha, a arquiteta Cristiane Schiavoni se inspirou nos ares mineiros para evocar a memória afetiva dos moradores. Na sua composição, a aplicação do revestimento inspirado na azulejaria portuguesa e o charme da marcenaria com estilo clássico, destacando os armários com vidro e o trabalho na madeira. | Foto: Raul Fonseca

Cores

Para a profissional, a definição da cor não é pautada em regras, haja vista ela deve representar a lembrança que será conduzida na construção da cozinha. Entretanto, a visão do profissional de arquitetura é fundamental para auxiliar na mistura de tons. 

No caso do vintage, tons impactantes como o preto, verde oliva, amarelo e vermelho podem ser bastante utilizados. Já entre os tons mais suaves estão as cores branco, azul e verde”, indica Cristiane.

Neste projeto, o azul petróleo veio para reforçar essa ideia do antigo. Nessa composição, o porcelanato que imita ladrilho hidráulico aplicado no backsplash da pia acompanha o estilo vintage do décor. | Fotos: Raul Fonseca

Personalidade

Uma cozinha afetiva e de personalidade não implica em ter os demais cômodos do projeto em uma toada semelhante. Porém, é interessante que essa liberdade esteja de acordo com os demais ambientes, para maior harmonia.  

É possível manter a cozinha com cores e pisos diferentes, sim, mas com uma unidade e propósito. Com as lembranças ali expostas, moradores e convidados devem sentir a conexão e a alegria do estar no espaço”, compartilha a arquiteta.

 Objetos e texturas

São os objetos, materiais ou texturas que contribuem para que um ambiente provoque sentimentos para os moradores ou visitantes. Por isto, são muito essenciais em uma cozinha afetiva.

É muito comum a escolha de vasos com plantas, louças coloridas, panelas antigas ou um móvel que segue perene com o passar do tempo. Entre as texturas, pode ser interessante investir em revestimento cerâmico ou um porcelanato com tons amadeirados, além dos ladrilhos hidráulicos coloridos, que podem ser evidenciados junto com marcenaria”, diz a arquiteta.
Para ela, é o olhar apurado aos detalhes que contribui com o todo.

Nesta cozinha, a proposta da arquiteta era fazer com que os moradores se sentissem em casa. Para isso, a profissional identificou esse gosto em comum pelo retrô e abusou do azul, tom que já era bastante utilizado pelos clientes. | Fotos: Carlos Piratininga

Cristiane Schiavoni Arquitetura
Formada em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo (FAU-USP), Cristiane Schiavoni atua na área de arquitetura, decoração e reforma desde 1996 e hoje, o escritório que leva seu nome, tem mais de 20 anos de história, reunindo centenas de projetos dentro e fora do Estado de São Paulo. Em suas criações residenciais e comerciais, publicadas em importantes veículos brasileiros, elementos-surpresa e toques de cor se misturam aos recursos que garantem o conforto e o aconchego dos moradores.

Av. Imperatriz Leopoldina, 957, sala 1914, Vila Leopoldina, São Paulo
Tel. (11) 3649 4900
www.cristianeschiavoni.com.br
@cristianeschiavoni

Divulgação:
dc33 Comunicação
Mayara Grosso, Glaucia Ferreira, Danilo Costa
(11) 3129-4382      
www.dc33.com.br
@dc33comunicacao

Newsletter

Assine para receber novidades do blog!

banner_875x90

Posts relacionados

Deixe seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

2 Comentários

  • Cintia
    02 abril, 2021

    Excelente conteúdo, amei demais!

    • Malu
      04 abril, 2021

      Fico feliz em saber!!!! Obrigada, Cíntia!!!!