15
outubro

Mesa na cozinha

Mesa na cozinha, blog Detalhes Magicos

Amo (eu e o mundo), os textos da Martha Medeiros. Tenho quase todos os livros dela. Aconteceu um acidente doméstico e um dos livros estragou.  Ontem à noite, voltando para casa, passei no Shopping para comprar um novo. Abrindo os livros dela, li, aleatoriamente, uma crônica que não lembrava mais e que falava sobre a mesa da cozinha.  A crônica não saiu mais da minha cabeça e pensei que vocês adorariam ler (ou reler, como eu fiz) e ficar pensando em que tipo de mesa vocês gostariam de compartilhar conversas e sonhos? Lembrar das mesas que já passaram por nossas vidas. É meu tema de hoje…

Mesa na cozinha, blog Detalhes Magicos

Mesa na cozinha, blog Detalhes Magicos

Mesa na cozinha, blog Detalhes Magicos

Mesa na cozinha, blog Detalhes Magicos

Mesa na cozinha, blog Detalhes Magicos

Mesa na cozinha, blog Detalhes Magicos

Mesa na cozinha, blog Detalhes Magicos

Mesa na cozinha, blog Detalhes Magicos

Mesa na cozinha, blog Detalhes Magicos

Mesa na cozinha, blog Detalhes Magicos

      O texto:

A mesa da cozinha é o local sagrado das conversas durante a madrugada, quando os irmãos chegam da balada com fissura por um gole de Coca-Cola e com histórias saindo pela boca: com quem ficaram ou não ficaram, o trajeto que fizeram para driblar a blitz, o preço da cerveja, e aí as amenidades evoluem para a filosofia, a necessidade de extrair da vida uma essência, a tentativa de escapar da insignificância, até que o dia começa a clarear e o cansaço avisa que é hora de ir para a cama.
Para alguns casais, a mesa da cozinha já serviu de cama, aliás.
A mesa da cozinha ouviu confissões de amigas que juraram guardar segredo, mas não conseguiram. O amante, a traição, a culpa, o nunca mais. A mesa escuta e não espalha, reconhece a inocência das fraquezas alheias e se sente honrada por ser confidente de tantas vidas.
A mesa da cozinha escutou o que os convidados não comentaram na sala, viu estranhos abrirem a geladeira atrás de algo mais substancial que canapés, suportou o peso de quem resolveu sentar sobre ela para fumar um cigarro antes de voltar para o burburinho da festa.
A mesa da cozinha já foi cenário de toda espécie de solidão.
Mas também de encontros. Viu o casal de namorados preparar, sem receita, seu primeiro salmão ao molho de manga, viu o menino nervoso abrir sua primeira garrafa de vinho para uma menina não menos nervosa, viu um beijo secreto entre primos, cuja família comemorava o Natal em torno da árvore, viu o marido se declarar para a esposa viciada em grifes ao surpreendê-la com um simples avental amarrado em torno da cintura.
A mesa da cozinha viu a mãe esquentar a primeira mamadeira às três da manhã, com cara de sono e felicidade. E o pai da criança, a caminho da área de serviço, segurando uma fralda suja com expressão de nojo, mas também de orgulho.
A mesa da cozinha viu a funcionária sentar no banquinho e, durante uma trégua entre um suflê e um pavê exigido pela patroa, acariciar sua primeira carteira de trabalho.
A mesa da cozinha viu o cachorro xeretar a lata de lixo e o gato lamber os restos que sobraram na louça do jantar. A mesa da cozinha viu a dona da casa tentar escrever um diário, coisas que ela sente e que não tem com quem dividir, a não ser com a luz amarelada do abajur.
A mesa da cozinha testemunhou lágrimas que foram secadas com o pano de prato. A mesa da cozinha possui manchas que contam histórias. A mesa da cozinha tem um pé frouxo que ninguém se lembra de aparafusar.
A mesa da cozinha já amparou carteados, velas acesas em dia de temporal, cinzeiros abarrotados, a roupa passada e dobrada antes de ir para as gavetas. A mesa da cozinha viu tudo.
Do livro “A graça da coisa”, Martha Medeiros.

Beijo, Malu

 

 

Quem escreve:

Newsletter

Assine para receber novidades do blog!

banner_875x90

Posts relacionados

Deixe seu comentário

Você é humano?

*